top of page

‘O Estado da Nação’


A temporada do ibérico Supercars Endurance está presentemente na sua pausa de verão, tendo chegado ao seu ponto meridional. Na sua primeira metade verificaram-se tendências e protagonistas que emergem na luta pela primazia na mais importante competição da península, mas com pretendentes desejosos de se assumirem como disruptores da ordem instalada.


Com dois eventos realizados, todas as divisões estão ainda por definir, havendo diversos candidatos em liça, quando estão ainda cento e oito pontos por conquistar nos dois fins-de-semana por realizar (vinte e cinco pontos por cada corrida e um por cada pole-position e volta mais rápida).


Acresce que, para tornar tudo mais interessante, cada concorrente terá de tirar fora os seus dois piores resultados em corrida, sendo que os pontos conquistados no evento do Autódromo do Estoril, o último, terão de ser obrigatoriamente contabilizados para a classificação pontual de cada um.


São, portanto, muitos os factores que entrarão em conta até à última prova do ano, a 26 de Novembro.

Tudo por decidir no reino dos GT


Na divisão GT4 Pro, Elias Niskanen não podia começar da melhor forma a defesa do seu título, com dois triunfos no Autódromo Internacional do Algarve.


O finlandês tem este ano em Nuno Pires um novo colega de equipa aos comandos de um dos Mercedes-AMG GT4 da Lema Racing, sendo este trio um candidato ao ceptro de 2023, mas desde o evento de Portimão que emergiu um forte adversário que promete uma luta intensa até ao final da temporada.


A Speedy Motorsport entrou este ano no Supercars Endurance com um BMW M4 GT4, dividido por José Carlos Pires e Francisco Abreu, e mostrou rapidez desde o primeiro momento. Em Portimão começou da melhor forma, com duas pole-positions, mas nas corridas, devido a inúmeras contrariedades, não conseguiu mais que um segundo posto.


Em Jarama, o duo do carro de Munique confirmou com resultados a sua competitividade, conquistado dois triunfos, depois de um intenso duelo com os seus adversários da máquina de Estugarda.


Com quatro corridas disputadas e os triunfos divididos entre estes dois concorrentes, Nuno Pires e Elias Niskanen lideram com 91 pontos a GT4 Pro, mas José Carlos Pires e Francisco Abreu estão a apenas seis pontos, prometendo luta pela definição do ceptro deste ano até ao último momento.


Muita embora estas duas duplas tenham sobressaído, existem outras equipas que olham para a restante temporada com o desejo de contrariar o ascendente delas.


Andrius Zemaitis e Alejandro Geppert, em McLaren 570S GT4 é uma das duplas que aspiram a bater-se por vitórias. O duo do carro inglês tem no seu pecúlio dois pódios e em Jarama chegou mesmo a liderar uma das corridas.


Se a equipa da SMC Motorsport der um passo em frente na segunda metade da época, facilmente poderá entrar na luta pelos triunfos e, com 62 pontos na sua conta, os 29 que dista duo luso-finlandês poderão não ser intransponíveis.


Apesar de terem baixado as suas expectativas para a sua temporada de estreia no Supercars Endurance, Sérgio Azevedo e Orlando Batina, da Batina Racing, com 53 pontos não estão arredados completamente de complicarem a vida das três equipas que estão à sua frente.


A dupla do BMW M4 GT4 (F82) começou de uma forma positiva a sua temporada, como demonstra o pódio obtido na prova algarvia. Porém, em Jarama, algumas dificuldades com as afinações do carro bávaro ditaram um fim-de-semana mais difícil. Se mostrarem mais consistência nos dois próximos eventos, Sérgio Azevedo e Orlando Batina podem assinar algumas surpresas.


Guillermo Aso, em Mercedes-AMG GT4 da NM Racing Team, e a dupla Bruno Pires e Fábio Mota, que este ano apostaram num Ginetta G55 da Tockwith Motorsport, mostraram flashes de performance, mas tiveram inúmeros azares que comprometeram os seus resultados. Espera-se que qualquer uma destas equipas possa melhorar e alcançar classificações que contrariem os seus adversários que estiveram mais fortes no início da época.


Igualmente de mais espera-se de Manuel Gião, que defende o título conquistado o ano passado com Elias Niskanen. O piloto do Mercedes-AMG GT4 da Racar Motorsport teve inúmeros infortúnios até agora, mas espera que tudo melhore depois do Verão, quando terá um novo colega de equipa.

Na GT4 Bronze está tudo em aberto com quatro concorrentes separados por vinte e cinco pontos – o correspondente a uma vitória.


Jorge Rodrigues e Patrick Cunha, em Audi R8 LMS GT4 da Veloso Motorsport, estão em primeiro com os mesmos pontos, 88, de Nil Montserrat e Alberto de Martín, em Mercedes-AMG GT4 da NM Racing Team.


A dupla portuguesa entrou de rompante, triunfando nas duas provas algarvias, mas a espanhola respondeu na mesma moeda em Jarama, evidenciando rapidez – tem no seu pecúlio três pole-positions e quatro voltas mais rápidas. Porém, a formação do GT de Ingolstadt tem mostrado muita consistência, terminando todas as corridas disputadas até agora no pódio.


Um dos grandes motivos de interesse da restante época será perceber qual destas abordagens será a mais bem-sucedida.


No terceiro posto está o duo composto por Luís Calheiros e Paul Macedo, em Mercedes-AMG GT4 da Lema Racing. Esta equipa estreia-se no Supercars Endurance este ano e no Algarve assegurou dois pódios, um deles um segundo posto. Com 65 pontos, tem legítimas aspirações a lutar pelo ceptro da GT4 Bronze na sua primeira temporada na disciplina.


Alfonso Colomina, em McLaren 570S GT4 da SMC Motorsport, está no quarto lugar com 63 pontos e tem também as suas aspirações intactas. O espanhol que corre a solo, teve muito bem em Jarama, com um segundo e um terceiro lugares, e mostra que, nas condições certas, será um piloto a ter em conta na luta pelas três primeiras posições.


Devido a algumas contrariedades, Francisco Carvalho e Nuno Batista, em McLaren 570S GT4 da Araújo Competição, têm apenas 20 pontos. Contudo, este duo já mostrou um bom andamento, o que lhes permite olhar para a segunda metade da temporada com a ambição de recuperar e estar na luta pelos melhores lugares do campeonato.

Turismos – Ainda muito por decidir


Entre os concorrentes da divisão TCR, Daniel Teixeira, em Cupra TCR da JT59 Racing Team, lidera com 57 pontos, mas Manuel Sousa e Luís Silva, em carro semelhante da Grupo TDS, estão na corrida pelo ceptro, a apenas 11 pontos, podendo dar a volta à questão nas provas que faltam – em Jerez de la Frontera e no Autódromo do Estoril.


Qualquer um destes dois concorrente procura na segunda metade da temporada a consistência de resultados que lhes faltou até aqui, o que poderá ser determinante para o desfecho final deste duelo.


Daniel Teixeira tem evidenciado uma supremacia ao nível da performance, conquistando a pole-position para todas as corridas, mas a fiabilidade do seu Cupra TCR tem sido o seu calcanhar de Aquiles, tendo vencido duas provas e abandonado nas restantes.


O duo da Grupo TDS, por seu lado, não conseguiu aproveitar em Jarama os infortúnios do seu adversário, uma vez que um despiste na primeira corrida o deixou em branco pontualmente e impediu de alinhar no segundo confronto do fim-de-semana.

Na TC, Borja Hormigos e Héctor Hernández estão confortavelmente no comando, 108 pontos, com quatro triunfos e outras tantas pole-positions e voltas mais rápidas.


O duo do BMW M240i Racing da Autoworks Motorsport está bem encaminhado para a conquista do ceptro da divisão, mas atrás de si os jovens pilotos da FPAK Junior Team estão numa luta intensa pela vice-liderança, todos eles em Ginetta G40.


Duarte Camelo está no segundo posto com 68 pontos e com 8 de vantagem para Lourenço Monteiro e 11 para Duarte Pinto Coelho. Este trio está ligeiramente destacado, mas Mariana Machado, Gabriel Caçoilo e Henrique Cruz mantêm as aspirações de se aproximarem dos seus colegas do programa da federação, com este último a 34 pontos de Duarte Camelo.

GTC – Luta até ao fim


Álvaro Ramos e Fernando Soares têm estado irrepreensíveis na GTX aos comandos do Aston Martin Vantage da Araújo Competição, somando quatro triunfos em quatro corridas, o que lhes garante a primeira posição na tabela pontual, com 108 pontos.


Simon Moore e Tomás Pinto Abreu, em Ginetta G50 da Tockwith Motorsport, estão a 34 pontos da dupla da “bomba de Gaydon”, e mostraram uma progressão assinalável em Jarama, face às corridas do Algarve. Se mantiverem a evolução já verificada poderão na ponta final da temporada ser um sério entrave às aspirações dos seus adversários.


Stephen Kirton e Jonathan Elsworth (65 pontos), em Ginetta G50 da Tockwith Motorsport, e Miguel Nabais e André Nabais (60 pontos), em estreia no automobilismo, em Porsche Cayman GT4 Clubsport da Speedy Motorsport, já passaram pelo pódio, mostrando potencial.


Nenhuma destas equipas está já completamente afastada da luta pelo ceptro da divisão, mas terão de aproximar-se da perfeição na segunda metade da temporada se se quiserem impor no final do ano.

Entre os concorrentes da divisão Cup assiste-se a um duelo intenso entre a dupla Marcus Fothergill e Dave Bennett, no Porsche 911 Cup da Tockwith Motorsports, e João Vieira, num carro semelhante assistido pela Garagem Aurora, estando separados por apenas 3 pontos.


A diferença entre os dois concorrentes resume-se ao maior número de voltas mais rápidas assinadas pelo dupla britânica e, com uma margem tão curta entre os dois, o sucesso final poderá cair para qualquer um dos lados.


Emergem, portanto, não só protagonistas em todas as divisões do ibérico Supercars Endurance, como também pretendentes disruptores que tiveram desafios mais exigentes na primeira metade do ano, mas que desejam inverter a tendência e colocarem-se na luta pelos ceptros, o que promete uma final de época disputado, emotivo e pleno de incertezas.


Comments


bottom of page